Censura e ameaça no Tocantins

Censura e ameaça no Tocantins

Justicia brasileña prohíbe a sitio de noticias publicar denuncias

Un juez del norteño estado de Tocantins, en Brasil, prohibió por un tiempo indeterminado al portal Arnaldo Filho —un sitio de noticias de la ciudad de Araguaína— publicar notas sobre las denuncias de ex funcionarios de un colegio privado en la ciudad, informó Conexão Tocantins.

El Sindicato de Periodistas Profesionales de Tocantins repudió la decisión y calificó el incidente como censura y un atentado contra la libertad de expresión. El gremio informó que llevará el caso ante Consejo Nacional de Justicia, el Tribunal de Justicia del Estado de Tocantins y la Federación Nacional de Periodistas.

“Brasil vive hoy en una democracia plena, un principio que no calza con las actitudes que dañan a la libre manifestación del pensamiento”, afirmó Júlio Veras, presidente del Sindicato.

25/04/2011 – 15h04

Juiz do Pará determina prisão e multa caso jornalista publique informações sobre desvios da Sudam

Conforme determinação do juiz Antônio Carlos Almeida Campelo, titular da 4ª Vara Cível Federal do Pará, o jornalista não pode mais citar os irmãos Romulo Maiorana Júnior e Ronaldo Maiorana, principais executivos do grupo Liberal de comunicação, além de outros dirigentes da corporação, que estão envolvidos na investigação.

Eduardo NecoPortal Imprensa

O jornalista paraense Lúcio Flávio Pinto, responsável pelo Jornal Pessoal, foi proibido de publicar, sob pena de prisão e multa de R$ 200 mil, quaisquer informações sobre alguns dos acusados de desviar dinheiro da Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia (Sudam) no estado.
Conforme determinação do juiz Antônio Carlos Almeida Campelo, titular da 4ª Vara Cível Federal do Pará, o jornalista não pode mais citar os irmãos Romulo Maiorana Júnior e Ronaldo Maiorana, principais executivos do grupo Liberal de comunicação, além de outros dirigentes da corporação, que estão envolvidos na investigação. A razão, segundo o magistrado, é que o processo corre em segredo de justiça.
O grupo Liberal de comunicação controla dois jornais diários, o Liberal e o Amazônia, uma rede de emissoras afiliadas à Rede Globo, além de emissoras de rádio e um portal de notícias.
Em entrevista ao Portal IMPRENSA, Flávio Pinto afirmou que irá acatar a determinação, mas que pretende recorrer alegando que sua matéria se sobrepõe ao sigilo, uma vez que a acusação de fraudes contra o sistema financeiro é de interesse público.
“Esse segredo de justiça é indevido, porque o direito a informação é constitucional”, sublinhou o jornalista. Ele afirmou, ainda, que o curioso da determinação é que o sigilo alegado pelo juiz não foi pedido por nenhuma das partes do processo, tampouco consta nos autos. “É uma decisão arbitrária, não teve ofício”.
Sobre a penalização em R$ 200, Flávio Pinto comentou que a “multa é desproporcional”, uma vez que ele “está defendendo o interesse público”.
O portal Yahoo! lembra que, em 2008, o Ministério Público Federal denunciou os proprietários do conglomerado – o maior do Pará – por fraude para obtenção de recursos de incentivos fiscais da Sudam. Até 1999, os desvios somavam R$ 3,3 milhões.
O caso do jornalista paraense se assemelha ao do jornal O Estado de S. Paulo, proibido desde 31 de julho de 2009 de publicar informações sobre a “Operação Boi Barrica”, que apura supostas irregularidades cometidas pelo empresário Fernando Sarney, filho do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP).
No entanto, a principal diferença entre os dois casos é que, na censura ao Estadão, a parte citada, no caso Fernando Sarney, requisitou que o processo corresse em segredo de justiça e, em consequência, de forma sigilosa. (Veja aqui a matéria de Lúcio Flávio Pinto sobre os desvios da Sudam no Pará).

fonte:

WikiLeaks desdeña al New York Times, pero el diario igual consigue los archivos secretos de Guantánamo de una fuente anónima

Pese a especulaciones de que la próxima gran revelación de WikiLeaks sería sobre el sistema bancario estadounidense, el sitio de denuncias difundió en cambio “Los archivos de Guantánamo”, la más reciente revelación de documentos secretos por parte de WikiLeaks, reportaron The Telegraph en el Reino Unido, el New York Times y Europa Press, entre otros medios.

El domingo 24 de abril, WikiLeaks comenzó a publicar 779 archivos secretos sobre el centro de detención en la base estadounidense en Guatánamo. WikiLeaks dijo que divulgará a diario detalles de cada detenido durante un mes.

El sitio Huffington Post ofreció los antecedentes de la divulgación de estos documentos. La noche del domingo, medios de Estados Unidos y Europa compitieron por ser los primeros en publicar la información. En esta ocasión, a diferencia de veces anteriores, el fundador de WikiLeaks Julian Assange no entregó los documentos por adelantado al New York Times y al británico The Guardian, ya que Assange rompió relaciones con ambos periódicos luego de una pelea pública con el Times.

Esta vez, Assange entregó la información embargada al grupo de periódicos McClatchy, al Washington Post y al británico The Telegraph, reportó el Huffington Post. Con todo, el New York Times se las arregló para obtener la información de WikiLeaks de una fuente “anónima” , y luego la compartió con The Guardian y la cadena de radio pública estadounidense NPR. The Guardian dijo que había sido “traicionado” por WikiLeaks y Assange, reportó el sitio journalism.co.uk.

WikiLeaks saltó a la escena mundial en 2010, cuando publicó documentos clasificados relacionados con la guerra en Afganistán. Al poco tiempo, el sitio difundió varios archivos secretos sobre la guerra en Irak y publicó cables diplomáticos estadounidenses.

El soldado Bradley Manning, acusado de entregar los documentos militares a WikiLeaks, permanece detenido en la cárcel de Fort Leavenworth en Kansas, reportó CNN. El gobierno estadounidense, además, está preparando una proceso contra Assange, quien recientemente fue nombrado por la revista Time como una de las 100 personas más influyentes del mundo.

fonte: http://knightcenter.utexas.edu/es/node/5590

Centro Knig recebe apoio de 270.000 dólares

El Centro Knight para el Periodismo en las Américas de la Universidad de Texas en Austin recibió una donación de 270.000 dólares de las Fundaciones Open Society para apoyar su trabajo de ayudar a periodistas de América Latina y el Caribe a mejorar la calidad del periodismo en sus países.

Fundado por el profesor Rosental C. Alves en agosto de 2002, el Centro Knight es un programa de capacitación y extensión para periodistas de América Latina y el Caribe que ha recibido financiamiento de la John S. and James L. Knight Foundation.

Las Fundaciones Open Society (OSF) fueron fundadas por el inversionista y filántropo George Soros. La subvención ayudará el trabajo del Centro Knight en 2011 y 2012 para expandir su capacitación de periodismo y esfuerzos de innovación, y fortalecerá además el trabajo del Centro para buscar nuevas fuentes de apoyo.

“Estamos agradecidos del apoyo de las Fundaciones Open Society”, dijo Alves, director del Centro Knight. “Esto es un reconocimiento del trabajo que hemos hecho en América Latina y el Caribe por casi una década. Es también un paso importante hacia la diversificación de fondos para nuestras actividades de ayudar a periodistas en las Américas”.

A través del generoso apoyo de la Fundación Knight, los programas del Centro Knight han beneficiado a miles de periodistas y profesores de periodismo a través de una variedad de programas que promueven la capacitación e innovación en periodismo digital. El Centro fue creado en 2002 gracias al generoso apoyo de la Fundación Knight: 2 millones de dólares en 2002 y otros 1,6 millones de dólares en 2007. El Programa de Medios y el Programa de América Latina han estado involucrados en algunas actividades del Centro Knight para crear redes y promover diálogos entre periodistas y han apoyado a varias de las organizaciones asociadas de periodistas que el Centro Knight ha ayudado a crear en el hemisferio.

Desde el año 2002, el Centro Knight ha ofrecido talleres de capacitación y seminarios en más de una docena de países en colaboración con organizaciones nacionales de periodismo, y cerca de 100 cursos en línea de su pionero programa de educación a distancia en su sitio web trilingüe, que ha llegado a más de 5.000 periodistas desde 2003, en cada país de América Latina y la mayoría de naciones del Caribe.

El Centro Knight también ha ayudado a periodistas a crear una nueva generación de organizaciones de periodismo independiente para elevar los estándares de periodismo y defender la libertad de prensa en el hemisferio, incluyendo la Asociación Brasileña de Periodismo Investigativo (Abraji), el Centro de Periodismo y Ética Pública (CEPET) de México, el Foro de Periodismo Argentino (FOPEA), la Red de Periodistas de Provincias del Perú, el Foro de Periodistas Paraguayos (FOPEP) y el Consejo de Redacción (CdR) de Colombia. El Programa de Medios de la OSF apoya a varias de estas organizaciones así como otras en la región, incluidos IDL Reporteros y el Instituto Prensa y Sociedad (IPYS), ambos de Perú.

Desde 2003, el Centro Knight ha organizado el Foro de Austin sobre Periodismo en las Américas, un encuentro anual y red permanente de organizaciones que se enfocan en desarrollo de medios y capacitación periodística en América Latina y el Caribe. El Programa de Medios de la OSF ha coauspiciado el Foro de Austin desde 2007, y el Programa de América Latina también ayudó al Foro en 2010. Como parte de la nueva subvención al Centro Knight, la OSF apoyará parcialmente el noveno y décimo Foro de Austin en 2011 y 2012, respectivamente.

Además de los siguientes dos Foros de Austin, la subvención de la OSF será usada para ayudar a pagar por los costos generales operativos del Centro Knight durante un periodo de 18 meses, de marzo de 2011 a agosto 2012. La subvención fue otorgada por un fondo común de tres programas de la OSF: el Programa de América Latina, el Programa de Medios y la Iniciativa de Migraciones Internacionales.

El Centro Knight aún tiene un principal apoyo financiero de la John S. and James Knight Foundation y de la Universidad de Texas en Austin, vía la Facultad de Comunicaciones y la Escuela de Periodismo.

El Centro Knight también mantiene un sitio web trilingüe que presenta blogs de noticias que monitorean diariamente noticias de periodismo en inglés, español y portugués, y una Biblioteca Virtual que contiene libros electrónicos sobre temas de periodismo que son descargados e impresos en las redacciones y programas de capacitación en las Américas.

El Programa de Medios de la OSF ayuda a promover los medios independientes y sostenibles, y periodismo independiente y profesional en países en democratización. Estos programas en América Latina incluyen reportaje investigativo, defensa legal y libertad de prensa. El Programa de América Latina de la OSF apoya a programas que promueven la transparencia y rendición de cuentas, debate político, seguridad ciudadana, y Derechos Humanos a través de la región.

Este blog es producido por el Centro Knight para el Periodismo en las Américas de la Universidad de Texas en Austin y financiado por la John S. and James L. Knight Foundation.

William Thomas Stead

LUCENA, Antônio de Souza e GODOY, Paulo Alves

Nascido em Embleton, Nothumberland, Inglaterra, no dia 5 de julho de 1849, e desencarnado tragicamente na catástrofe ocorrida com o transatlântico “Titanic”, na noite de 14 para 15 de abril de 1912.

No início da década de 1910, nada era feito no sentido de fazer reportagens por ocasião dos grandes acontecimentos. Um notável jornalista, William Thomas Stead, teve a feliz idéia de começar esse gênero de publicidade, o que alcançou grande repercussão na Inglaterra.

Por ocasião do lançamento do “Titanic”, o maior navio do mundo, o qual era reputado por insubmersível, tais as inovações nele introduzidas, e o sistema construtivo, esse famoso homem de imprensa foi convidado para fazer a reportagem de sua viagem inaugural, dando cobertura jornalística a tudo quanto acontecesse a bordo.

Sucedeu, no entanto que o navio bateu em cheio em enormes geleiras e, numa tentativa de resgate, ordenada pelo comandante, enorme rasgo abriu-se em seu casco, ocasionando o seu naufrágio na noite de 14 para 15 de abril de 1912.

Entre as 1503 vítimas estava William Thomas Stead. O infausto acontecimento encheu o mundo de consternação e o Espiritismo ficou privado do concurso valioso de um destacado homem de imprensa, homem esse que estava vivamente empenhado em divulgar as grandes verdades que havia constatado em seus trabalhos de pesquisa no campo da fenomenologia mediúnica.

Notável jornalista, escritor e publicista inglês, William Thomas Stead dedicou-se muito jovem a essa carreira.

No ano de 1871, dirigiu o “Norhern Echo”, da cidade de Darlington, e nos anos de 1883 a 1889, dirigiu o “Pall Mall Gazette”.

No ano de 1890, fundou a “Review of Rewies” e, em 1893 e 1894 lançou numerosas revistas do mesmo gênero, nos Estados Unidos e na Austrália.

De 1893 a 1897, dirigiu o órgão espiritualista “Borderland”.

No ano de 1898 encetou uma visita à Rússia, onde foi recebido pelo Czar, dando então início à intensa luta em favor do pacifismo mundial, ideal que passou a defender, com todo o entusiasmo, através da palavra escrita e falada.

No decurso da Conferência de Paz, realizada em Haia, no ano de 1899, Stead teve a oportunidade de visitar aquela cidade, dando início, logo após, na Inglaterra, a acirradas campanhas contra a guerra sul-africana, tendo em decorrência contraído muitas inimizades.

Trabalhou árdua e valorosamente no sentido de se estabelecer um tratado entre a Alemanha e a Inglaterra, propugnando para a concretização de uma Segunda conferência de paz, realizada posteriormente em Haia, na Holanda, onde, na qualidade de correspondente, publicou o “Correio da Conferência de Paz”.

Era notável a facilidade com que escrevia seus artigos, os quais invariavelmente portavam cunho sensacionalista.

Nos seguintes livros, de sua autoria, podem ser observados a vivacidade e o empenho com que tratava os temas que desejava abordar: “A verdade sobre a Rússia” (1888) , ë o Cristo viesse a Chicago” (1893), “A Guerra do Trabalho nos Estados Unidos” (1894), “O mundo invisível de Satã” (1897) , “Os Estados Unidos da Europa” (1899), “Estudos sobre Mrs. Booth” (1900), “A Americanização do Mundo” (1902), além de muitos outros.

O “Rei dos jornalistas”, e mais do que isso – o “Imperador”, esse foi o título elogioso que recebeu do “Cri de Paris”, em janeiro de 1907, quatro meses antes da realização da famosa Conferência de Haia.

Quando estava no apogeu de sua carreira de escritor e jornalista, alguns anos antes de sua desencarnação, deixou cheios de admiração a Inglaterra e o mundo científico, com a sua confissão de que estava plenamente convicto da existência do mundo dos espíritos, isso pelo fato de ter recebido, através de sua própria mediunidade, uma série de comunicações espíritas, atribuídas ao espírito de Júlia, as quais foram posteriormente publicadas num livro que alcançou grande repercussão, denominado “Cartas de Júlia”.

Dizia ele então: “Todas as “Cartas de Júlia”, foram recebidas por mim mesmo. Estando sozinho, sentado e com ânimo tranqüilo, colocava conscientemente minha mão direita, na qual tinha uma caneta, à disposição de Júlia e observava com vivo interesse tudo quanto ela escrevia. Posso admitir, conforme afirmam meus detratores, que as “Cartas de Júlia” tenham sido simplesmente escritas pelo meu “eu” subconsciente, isso não rebaixaria em nada a verdade, nem diminuiria a força dessa eloqüente e comovedora prova em favor da vida superior. Quanto desejaria que o meu “eu” consciente pudesse escrever tão bem!”

No ano de 1895, respondendo a uma indagação do “Morning Advertiser”, de Nova Iorque, que lhe perguntava por que acreditava na imortalidade, ele assim respondeu: “Só o Eterno pode afirmar ou negar a imortalidade. Se vos compreendo bem, não se trata aqui da imortalidade da alma, mas sim da persistência da entidade individual, após a dissolução do corpo por cujo intermédio essa entidade se manifestava durante a sua vida terrena. Aí está uma questão muito mais simples, a que posso responder sem hesitar e sem receio. Eu não seria verdadeiro, se dissesse que creio na persistência do indivíduo após a morte, por ter observado fenômenos ditos espíritas; muito tempo antes eu aceitava esse fato. Submeti, depois, a minha crença à prova de uma demonstração experimental. E se outrora dizia: eu creio, hoje digo, eu sei. Não há uma grande diferença?”

William Thomas Stead foi grande amigo do nosso grande Ruy Barbosa.

Consta que, na noite do naufrágio do “Titanic”, os familiares desse grande político brasileiro, estando reunidos numa sessão de experimentação mediúnica em Poços de Caldas, receberam a informação de que o famoso jornalista havia desencarnado, notícia que Ruy recebeu com surpresa e com bastante naturalidade, quando um dos membros de sua família lha comunicou.

O velho político reconheceu na mensagem, de forma surpreendente, o estilo de Stead.

LUCENA, Antônio de Souza e GODOY, Paulo Alves. Personagens do Espiritismo. Edições FEESP, 1982. 1ª edição, SP.

fonte:http://www.espiritismogi.com.br/biografias/william_thomas_stead.htm

Jornalismo investigativo sob ameaça

Jornalista de investigação Wayne Madsen "sob ameaça … eles querem te matar."

Posted by helen Postado por helen

Nota do Editor: Wayne Madsen é um jornalista investigativo que cobriu acontecimentos políticos no interior do Rodoanel durante décadas. His work is superior and his sources are global. Seu trabalho é superior e suas fontes são globais. He is owned by no one and is therefore free from corporate constraints to report the facts as told to him. Ele é propriedade de ninguém e é, portanto, livres de restrições corporativas para relatar os factos tal como disse a ele. Wayne and his investigative work is a rarity these days b/c corporate media cut investigative journalism budgets long ago. Wayne e seu trabalho investigativo é uma raridade hoje em dia b / c mídia corporativa cortar orçamentos jornalismo investigativo há muito tempo. You know when you are reading a Wayne Madsen Report that it is the unvarnished truth, and obviously, reporting said truths, especially related to the empire’s CIC who has gone to great lengths to hide all there is to know about him, is threatening. Sabe quando você está lendo uma Wayne Madsen Report que é a verdade nua e crua, e, obviamente, relatórios disse verdades, principalmente em relação ao império do CIC o que tem feito grandes esforços para esconder tudo o que há para saber sobre ele, é ameaçadora. Well, here’s a big clue – stop hiding who and what you truly are, Mr. President! Bem, aqui está uma grande pista – escondendo parar quem eo que você realmente é, Sr. Presidente! Give American’s some credit – they may actually like the hidden Obama more than the pretend one seen in plain view everyday! Dá um pouco de crédito americano – eles podem realmente como o Obama oculta mais do que a uma pretensão vista claramente todos os dias! And tell your lackey’s to back off because WE THE PEOPLE will be watching…closely. E diga ao seu lacaio a recuar porque Nós o Povo estará observando de perto ….

fonte::http://www.t-room.us/2011/04/investigative-journalist-wayne-madsen-under-threat-they-want-to-kill-you/

JORNALISMO DE INVESTIGAÇÃO

JORNALISMO DE INVESTIGAÇÃO
O cão de guarda da sociedade

Por Eliamara Fontoura Brun em 15/3/2011

A relação de amizade entre o homem e os canídeos, segundo os especialistas, é datada de mais de 15 mil anos. Desde a domesticação dos lobos, os cães possuem um importante papel na evolução humana. No inicio, eram primordiais no auxílio da caça e da protecção das tribos. Hoje, são praticamente membros da família.

Grandes ou pequenos, não importa a raça, o instinto protector desses animais para com os seus donos tornaram os cães importantes defensores do ser humano. A famosa frase: "O cão é o melhor amigo do homem" representa a dimensão da forte e duradoura afeição entre essas espécies tão diferentes.

O surgimento da Imprensa Watchdog, um dos conceitos mais divulgados no estudo da comunicação, baseia-se exactamente nessa noção de fidelidade e de protecção dos cães. É a representação do profissional de jornalismo como um verdadeiro cão de guarda da sociedade perante os desvios, as prepotências e as injustiças.

A afirmação do conceito Watchdog, no imaginário popular, provém justamente da crise no sistema político mundial. Em uma sociedade confrontada diariamente por escândalos, corrupção e desvios de valor, nada mais natural, que a imprensa se posicione ou seja posicionada como uma instituição vigilante da máquina pública. Uma verdadeira uma ponte entre os abusos, a cobrança por justiça e o julgamento dos "culpados".

Nesta perspectiva, conforme Mesquita (2006), as instituições da imprensa são encaradas como parte integrante dos sistemas de pesos e contrapesos característicos dos sistemas democráticos. A concepção de contrapoder se define através do ideal de que somente o poder tem a força necessária para barrar o poder, ou seja, a imprensa é a força existente para impedir os excessos públicos.

Os deveres do jornalista

Traquina (2007) resume bem esse ethos jornalístico ao explicitar que o jornalismo é o próprio veículo de comunicação para equipar os cidadãos com instrumentos vitais para o exercício dos seus direitos e a expressão de suas preocupações. Para o autor, esta prerrogativa de ser a "voz do povo" acompanha a actividade jornalística desde os seus primórdios, quando conceitos como: a liberdade de imprensa ou a capacidade de informar a todos norteavam a ideologia da burguesia francesa.

O conceito da Imprensa Watchdog, sem dúvida, faz parte do processo de idealização da profissão jornalística, o que confere credibilidade aos veículos de comunicação. Quanto mais actuante for a imprensa na denúncia e na investigação dos escândalos, maior o seu enaltecimento e a aceitação do seu discurso por parte das audiências.

Muitos estudiosos definem que o posicionamento da imprensa como "protectora da sociedade" serve para alimentar o ego dos jornalistas e enaltecer a profissão perante as demais.

De acordo com Safire (cit. in Mesquita, 2006), a expressão Watchdog foi muito empregada pelas profissões dos media no debate político, com vista a reforçar ainda mais a respectiva legitimidade no espaço público. "No século 20, foi adoptada por muitos directores nas suas descrições da importância do jornalismo."

A dualidade da questão está exactamente no facto da imprensa Watchdog ser benéfica tanto para a sociedade como um todo, que é favorecida pela verdade e a cobrança por justiça, quanto para a profissão jornalística que ganha notoriedade.

Deve-se elucidar, porém, que a imprensa quando se coloca como "protectora da sociedade" está simplesmente a cumprir com a sua função. O Estatuto do Jornalista (Lei n.º 1/99 de 13 de Janeiro/ Portugal – artigo 14) define que é dever do jornalista: exercer a actividade com respeito pela ética profissional, informando com rigor e isenção; abster-se de formular acusações sem provas e respeitar a presunção de inocência; respeitar a privacidade de acordo com a natureza do caso e a condição das pessoas; não falsificar ou encenar situações com intuitos de abusar da boa fé do público.

O dia-a-dia nas redações

Porém, como em qualquer profissão, existem bons e maus jornalistas, aqueles que seguem as normas de conduta e outros, os interesses próprios. Alguns veículos de comunicação são considerados imprensa de referência; outros, sensacionalismo. Precisa-se sim separar o joio do trigo e valorizar aqueles jornalistas e veículos de comunicação pautados nos princípios da verdade e do esclarecimento da população.

Esse patamar é sem dúvida primordial para se compreender a importância do jornalismo como um importante actor social. Segundo Karam (1997), é a comunicação social que possibilita a interacção humana e faz com que a população tome consciência da realidade que a rodeia. Para ele, "a complexidade da sociedade faz com que os indivíduos precisem se apropriar no movimento quotidiano do mundo, ampliando assim a sua visão, pois é o acesso à produção diária da humanidade que possibilita que o sujeito interfira na sociedade".

Se o jornalismo investiga, denuncia e cobra por justiça, a sociedade caminha para um futuro mais consciente e igualitário. Caso contrário, quando os interesses principais estão baseados somente na conquista das audiências e do lucro, os abusos, o poder-soberania e a opressão ganham espaço.

A mídia quando se afasta da concepção Watchdog, se afasta da sua responsabilidade social e glorifica o seu lado mais pernicioso: a instauração de tribunais paralelos.

O dia-a-dia nas redacções é definido pelo deadline, pelo impacto das notícias produzidas e pela cobertura que a concorrência está fazer. Por isso, o cumprimento dos prazos pré-estabelecidos e a publicação dos factos em primeira mão são decisivos para o sucesso ou não de uma organização midiática.

Uma linha tênue é responsável pela credibilização

O anseio pelo "furo" jornalístico" pode trazer sérias consequências na apuração de todos os meandro envolvidos nos acontecimentos a serem divulgados. A rápida produção em escala das notícias pode ocasionar erros na precisão das informações e uma preciptação no julgamento do ocorrido.

Não são raros os casos em que o jornal publica, sem a devida confirmação, informações que são corrigidas a posteriori. A consequência deste acto pode ser uma simples errata na página inicial ou a destruição completa da vida de muitas pessoas.

Na década de 90, o Brasil assistiu a um dos maiores erros midiáticos, pela falta de comprovação dos factos por parte dos jornalistas, de toda a sua história: o caso da Escola Base. Os veículos de comunicação da época culparam literalmente os proprietários de uma escola, em São Paulo, pelo abuso sexual de várias crianças. Depois do escândalo e da acusação desenfreada, os laudos periciais desmentiram as denúncias, comprovando que os acusados, que já tinha sido considerados culpados pela opinião pública, eram inocentes.

Em situações desta natureza, os escândalos tornam-se muito mais do que notícias, transformam-se em verdadeiros espectáculos semelhantes aos dos julgamentos medievais em praça pública, onde os acusados tornam-se culpados sem o devido direito de defesa.

Segundo Bonetti (2005), os principais erros da imprensa ocorrem porque o segredo é uma característica avessa ao jornalismo. O jornalista não quer guardar segredos, ele quer transmitir o que sabe antes dos outros, quer exercer do poder da velocidade da informação, mostrar que descobriu primeiro, que foi mais esperto, mais sagaz, conseguiu o furo, conseguiu a reportagem premiada que ninguém mais fez, de preferência, uma reportagem investigativa.

A linha ténue que separa a imprensa de referência da imprensa cor-de-rosa é a responsável pela credibilização ou não da mídia como Watchdog.

O cão só pode ser considerado o melhor amigo do homem se estiver sempre ao lado dono. A imprensa, da mesma forma, quando deixa de lutar pelo interesse dos comuns e passa a se preocupar exclusivamente com os seus ganhos, deixa de ser amiga da sociedade e do seu próprio legado.

Jornalismo Investigativo x Jornalismo de Actualidade

Outra grande controvérsia da Imprensa Watchdog é a própria classificação do que é ou não jornalismo investigativo. As grandes reportagens e denúncias produzidas, geralmente provêm de uma área especializada do jornalismo. Contudo, alguns profissionais consideram que toda prática jornalística precise de alguma investigação, por tanto toda matéria é investigativa.

A separação do Jornalismo Investigativo do Jornalismo de Actualidade é um dos pilares de sustentação da imprensa Watchdog, partindo do princípio de que a mídia só consegue "defender" a sociedade, se desempenhar o seu papel com comprometimento e respeitando os pormenores da rotina produtiva.

Muitos dos textos estampados nas primeiras páginas dos jornais e revistas já chegaram praticamente prontos às redacções através dos press-releases enviados pelas assessorias de imprensa e agências de notícias. A investigação, quando existe, fica presa ao primeiro nível de informações, através de meras entrevistas e checagem dos acontecimentos.

O simples facto de um texto jornalístico conter cifras, estatísticas e percentagens económicas, documentação e declarações não o definem como jornalismo investigativo. Os dados numéricos são simples referências para as matérias jornalísticas, não mais do que isso.

O repórter diário só transforma-se em um repórter de investigação quando o profissional passa a utilizar técnicas e estratégias peculiares, que vão muito além das fontes oficiais e das documentações entregues pelas relações públicas.

O escândalo de Watergate, na década de 70

Lage (cit. Sequeira, 2005) explica que o grande diferencial entre ambos é que: o jornalista de actualidade dependente das fontes e não tem o acesso às "fontes das fontes", ou seja, aquele profissional sem acesso aos documentos primários dos quais se originam as notícias. Já o investigativo caracteriza-se por ser um profissional que busca os documentos originais.

Para Sequeira (2005), a palavra-chave quanto a busca dos temas a serem averiguados é a sensibilidade. "É só disso que o repórter investigativo precisa para descobrir enfoques inéditos, por trás das notas, acontecimentos rotineiros e notícias que passam despercebidas pelos veículos de comunicação, para torná-los o gancho de novas histórias". Por isso, cabe ao repórter investigativo estar atento a tudo que acontece a seu redor, no seu país, no mundo e ter ainda uma visão histórica com relação aos acontecimentos.

Essa dissemelhança entre as matérias diárias de um veículo de comunicação, como um buraco na rua ou uma sessão parlamentar, e as grandes reportagens, de denúncias de corrupção e escândalos no poder, definem o posicionamento de uma mídia como Imprensa Watchdog.

O jornalismo da actualidade cumpre a função de informar a sociedade, já o jornalismo investigativo Watchdog, de denunciar e tornar público aquilo que muitos insistem em esconder. A preocupação principal, neste caso, é de divulgar os desvios cometidos e cobrar os devidos esclarecimentos através da ética e dos meios legais.

Talvez o caso mais emblemático de toda a história do jornalismo investigativo seja o escândalo americano do Watergate, na década de 70. As denúncias feitas neste episódio redefiniram os padrões de fazer jornalismo e materializaram definitivamente o conceito da Imprensa Watchdog.

Um olhar mais crítico

As investigações feitas pelos jornalistas Carl Bernstein e Bob Woodward, do Washington Post, comprovaram a estreita ligação do presidente republicano Nixon, candidato à reeleição, à espionagem feita no comité do Partido Democrata. Na época, cinco pessoas foram detidas enquanto tentavam fotografar documentos e instalar aparelhos de escuta no escritório. Devido ao exercício contínuo e incansável de ambos os jornalistas, Nixon renunciou à presidência dos Estados Unidos, em 1974.

Sem dúvida, Watergate é o exemplo da Imprensa Watchdog na sua forma mais plena: do jornalismo no papel de contrapoder na derrocada do homem mais poderoso do mundo. Conforme Kovach & Rosenstiel (2003), depois deste episódio, "a reportagem investigativa ficava de repente famosa, redefinindo a imagem da profissão de repórter, a ela atribuindo até um certo sex appeal".

A sociedade e a imprensa, sem dúvida, não foram mais as mesmas depois de Watergate. Ficou uma importante herança política quanto a crença nas instituições governamentais. Talvez o principal legado tenha sido uma iniciante transição do cepticismo incorporado à opinião pública para uma postura um pouco mais crítica em relação ao governo.

Watergate instigou a fiscalização dos poderes nas modernas sociedades democráticas ao mesmo tempo que contribuiu para a mentalidade midiática da manutenção das engrenagens do poder político através de um olhar especializadamente mais crítico.

Imprensa Watchdog na actualidade

Muito tempo se passou deste o escândalo de Watergate, a imprensa broadcasting assistiu à ascensão dos novos mídias e de uma nova forma de se comunicar. Se antes, o estudo do jornalismo se baseava nas teorias da comunicação de massa, da relação do emissor para várias receptores, do Quarto Poder e da Imprensa Watchdog. Hoje, prioriza-se o conhecimento em relação a teoria das redes e das redes sociais, da extinção ou não do jornal impresso e da continuidade da profissão jornalística.

Pode parecer retrógrado abordar a temática da imprensa Watchdog em um momento em que as novas tecnologias dominam definitivamente a realidade midiática. Porém, justamente por se tratar de uma época com tantas mudanças nos paradigmas do jornalismo, é que a Imprensa Watchdog precisa fortalecer as raízes e os princípios primordiais da profissão.

De nada adianta a evolução tecnológica e da forma de se comunicar, se a força motriz do jornalismo está deturpada. O pensamento da actualidade, quanto à comunicação, está tão focado nas novidades e nas transformações vividas, que os profissionais e estudiosos esqueceram de enfatizar a importância do jornalismo para a sociedade e para si próprios.

De acordo com Marshall (2007), foi a linguagem jornalística, uma das principais ferramentas intelectuais que sustentaram a dinâmica e a lógica da sociedade contemporânea. Para o autor, "sem o jornalismo, a sociedade da modernidade não conseguiria estabelecer os princípios do nacionalismo, das identidades culturais, das fronteiras estéticas, da massa crítica, da formação da chamada opinião pública e dos signos da sociedade da informação".

A partir do momento em que todos os profissionais da comunicação começarem a compreender o vital papel do jornalismo na manutenção da democracia e do respeito aos direitos do cidadão, não haverá tecnologia ou forma de interacção capaz de substituir o seu ofício.

Quanto mais especializada e correcta for a actuação do jornalista, maior a sua importância na esfera global. O temor e o anseio pela extinção do jornalismo se dá justamente pelo enfraquecimento dos princípios da profissão e não somente pela nova ciber-mediação. Se a jornalismo se mantiver forte e activo, o seu futuro estará garantido.

A visão romanceada da Imprensa Watchdog representa o que há de melhor no jornalismo, devendo ser um guia de cabeceira de todo e qualquer profissional. O poder midiático focado no bem-estar social é a maior máquina de mudança social existente. Basta observar que as primeiras medidas tomadas pelos regimes autoritários são: a censura e a restrição da liberdade de expressão.

Da mesma forma que é impossível observar a destituição da relação cão-homem, é fundamental demonstrar que a sociedade e a Imprensa Watchdog andam sempre de mãos dadas. Como já dizia Che Guevara: "Sonha e serás livre de espírito… luta e serás livre na vida!"

Referências Bibliográficas

BONETTI, Marco A. C. Complexidades da relação entre o poder da imprensa e o segredo [Online] Disponível em http://www.intercom.org.br/papers/nacionais/2005/resumos/R0937-1.pdf Publicada em: 07/12/2005. Acesso em: 13.12.2010

BURGH, Hugo de. Jornalismo Investigativo. Contexto e Prática. São Paulo: Editora Roca, 2008.

KARAM, Francisco. Jornalismo, Ética e Liberdade. São Paulo: Summus, 1997

KOVACH, Bill & ROSENSTIEL, Tom. Os Elementos do Jornalismo. São Paulo: Geração Editorial, 2003

MARSHALL, Leandro. A estética da mercadoria jornalística. [Online] Disponível em http://www.bocc.ubi.pt/pag/marshall-leandro-estetica-mercadoria-jornalistica.pdfPublicada em: 2007. Acesso em: 15.12.2010

MESQUITA, Mário. O quarto equívoco: o poder dos media na sociedade contemporânea. Coimbra: Minerva Coimbra, 2006.

RODRIGUES, Cunha. Comunicar e Julgar. Coimbra: Minerva Coimbra, 1999.

SEQUEIRA, Cleofe M. de. Jornalismo Investigativo. O fato por trás da notícia. São Paulo: Summus, 2005.

TRAQUINA, Nelson. O que é o Jornalismo. Lisboa: Quimera, 2007

fonte: http://www.observatoriodaimprensa.com.br/artigos.asp?cod=633DAC001

sobre o debate de jornalismo investigativo

O Centro Internacional de Políticas para o Crescimento Inclusivo (IPC-IG) e o Mercado Ético lançaram, em parceria, o relatório “Jornalismo Investigativo: Questões para um Debate Sul-Sul”. A publicação foi produzida a partir das conclusões e recomendações do Seminário Internacional sobre Jornalismo Investigativo: Um diálogo Sul-Sul, que aconteceu em 22 de novembro de 2010, em São Paulo.

Relatorio-Jornalismo-Investigativo-1

O relatório busca levar ao público uma reflexão sobre os principais questionamentos e recomendações discutidas durante o evento, que contou com a presença de jornalistas, especialistas acadêmicos e formadores de opinião da África do Sul, Brasil, Índia, México, Suíça e Qatar. Representantes das Nações Unidas e da Sociedade Civil também estavam presentes. Trazendo a perspectiva do Brasil, destacam-se João Paulo Charleaux (O Estado de S. Paulo), Luis Nassif (Agência Dinheiro Vivo), Maurício Hashizume (Repórter Brasil), Luis Martins (UnB) e Luiza Frischeisen (PGR). O documento também conta com reflexões de Abderrahim Foukara, Chefe do canal árabe Al Jazeera em Washington D.C., e de outras personalidades no campo do jornalismo.

Dividido em três seções: Informação, Democracia e Desenvolvimento Social; Diferentes Censuras: Política, Fincanceira, Econômica e Geográfica; e Corrupção, Mídia e Mercado, o relatório apresenta questões para uma agenda de colaboração entre os países participantes e as Nações Unidas para o aperfeiçoamento do jornalismo investigativo e sua contribuição para o desenvolvimento.